Mães de desaparecidos da ditadura esperam punição para torturadores | R7

http://noticias.r7.com/brasil/noticias/maes-de-desaparecidos-da-ditadura-esperam-punicao-para-torturadores-20120512.html

12/05/2012 | 19h45

Quase 30 anos depois do fim do regime militar, Brasil ainda não esclareceu crimes

Renan Truffi

Criméia participou, em 2009, da comissão que acompanhou a localização dos corpos dos mortos na Guerrilha do Araguaia

A ex-militante política Criméia Alice Schmidt de Almeida, de 66 anos, estava no sétimo mês de gravidez quando foi sequestrada por militares, em dezembro de 1972, ano em que o Brasil era governado por uma ditadura.

Ainda grávida, ela foi torturada nos porões do Doi-Codi (Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna), em Brasília. João Carlos Grabois, hoje com 39 anos, nasceu na prisão, e segundo Crimeia também sofreu com as crueldades do regime.

— Ele [João Carlos] teve problemas. Teve problemas de desnutrição porque, para me castigarem, eles [os torturadores] tiravam meu filho de perto de mim. Diziam que iam dar para a adoção. Abusavam muito de tortura psicológica. Só quando ele estava bem mal, depois de três ou quatro dias, me devolviam para amamentar. Eles diziam que eu estava torturando ele.

Embora Criméia e o filho tenham sobrevivido, seu marido, André Grabois, é um dos quase 500 desaparecidos deixados pela ditadura militar que governou o Brasil entre 1964 e 1985). Ele também estava na Guerrilha do Araguaia, como ficou conhecida a tentativa de militantes contrários ao regime de começar uma revolução socialista no interior Brasil.

Ao falar sobre a possibilidade de ver agentes da ditadura serem enquadrados pelo crime de sequestro permanente, como está tentando o Ministério Público Federal, Criméia se empolga. Segundo ela, julgar e punir torturadores e responsáveis pelos crimes do regime militar seria um presente para as poucas mães de desaparecidos políticos que ainda estão vivas.

— É um presente que muitas mães [de desaparecidos políticos] não vão poder receber porque já morreram. Mas, se um dia se fizer Justiça, e esses torturados forem condenados, esse seria o melhor presente do Dia das Mães que, aliás, já poderia ter chegado.

Uma dessas mães que ainda estão vivas e continuam a enfrentar a dor de não saber o que aconteceu com o filho é Maria Leonor Pereira Marques, de 83 anos. Seu filho mais velho, Paulo Roberto Pereira Marques, o Paulinho, saiu de casa com 19 anos. Na clandestinidade, adotou o codinome “Amauri” e também foi para o Araguaia. Passados 39 anos, dona Leonor ainda não recebeu sequer uma certidão de óbito.

— No começo, ele mandava cartas. Recebi duas. Minha única saída era rezar para que não acontecesse nada. Mas, quando parou de chegar [cartas], pensei ‘ai meu Deus’. E só quando a ditadura caiu nós ficamos sabendo do Araguaia. Até então, eu não podia saber onde ele estava.Para nós, da família, o governo não deu notícia nenhuma até hoje. Não deram atestado de óbito, nem nada.

Heleny Guariba

O cineasta Francisco Guariba, de 49 anos, viveu o sentimento contrário. Ele é filho da diretora de teatro Heleny Guariba, que sumiu com cerca de 30 anos no Rio de Janeiro.

Chico, como é conhecido, tinha entre sete e oito anos quando sua mãe foi presa pela segunda vez. Na primeira, Heleny ficou no presídio Tiradentes, em São Paulo.

Enquanto Heleny esteve detida na capital paulista, o cineasta a visitava acompanhado do pai. Sua mãe ficava em uma cela ao lado da hoje presidente Dilma Rousseff. As duas se conheciam porque militavam no mesmo grupo, o VRP (Vanguarda Popular Revolucionária).

— Ela foi presa em 1970. Eu me lembro de ir ao presídio Tiradentes. Foi lá até que a Dilma ficava. Inclusive numa cela do lado da dela [Heleny]. Elas ficaram lá na mesma época e eram bem amigas. Tanto é que agora quando ela [Heleny] foi homenageada pelo governo, foi a Dilma que acabou entregando um prêmio de honra ao mérito para mim e para a minha filha. E ela comentou que se lembrava de mim pequenininho.

No entanto, ao contrário de Dilma, Heleny foi solta e pouco tempo depois, quando se preparava para deixar o País, acabou sequestrada novamente. Nesta segunda vez, ela teria sido levada para uma prisão em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro, que ficou conhecida como Casa da Morte. Segundo Francisco, a única pessoa que conseguiu sair viva do local disse, posteriormente, que a mãe dele também foi vista lá, antes de desaparecer.

— Houve todo um processo de procura, o processo mais doloroso, para saber se ela estava viva ou morta. Claro que a dúvida era mais nossa, das crianças, e não dos adultos. A gente ficava com esse vazio porque não sabia se ela tinha morrido ou não. Ela podia ter ido embora, para outro País.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: