As Comissões da Verdade e a proteção à vida de antigos exterminadores | Sul21

31/05/2012 | 13h36

Inicia-se, finalmente, o processo de investigação sobre os crimes cometidos pela ditadura militar brasileira (1964/1985). Notícia divulgada ontem (30) em primeira mão pelo Sul21 informa que o ex-delegado do DOPS Cláudio Guerra e o ex-sargento do DOI-CODI Marival Chaves Dias foram ouvidos formalmente, durante a segunda (28) e a terça-feira (30), em Vitória (ES), para uma força tarefa do Ministério Público Federal e a coordenadora da Comissão Memória, Verdade e Justiça da Câmara dos Deputados, Luiza Erundina.

Exterminadores arrependidos, ambos ex-integrantes das forças de repressão da ditadura militar, deverão ser agora protegidos pelo estado democrático brasileiro. A deputada já encaminhou, ao procurador geral da República em Campos dos Goytacases (RJ), pedido de guarda policial para os ex-agentes, principalmente para Guerra, que tem sofrido ameaças de ex-colegas desde que passou a revelar os fatos vividos por ele durante o período de repressão política.

Além da ironia do fato de o governo de Dilma Rousseff, ela própria torturada durante o período ditatorial, vir a proteger, por motivos humanitários, a vida de dois ex-agentes do arbítrio, há também motivação política para a proteção oferecida. Arquivos vivos dos abusos praticados sobre os opositores do regime ditatorial, Guerra e Chaves correm risco de serem eliminados por aqueles que temem ver seus crimes expostos.

Acostumados a dar fim à vida dos que se atreviam a contestá-los, parecla da oficialidade das três forças armadas e integrantes das antigas agências de repressão política, têm desenvolvido ações no sentido de dificultar e, se possível, impedir os trabalhos das comissões de resgate da memória e da verdade histórica que se instalam no país com o objetivo de desvendar as práticas e identificar os mandantes e executores das violências ocorridas durante o longo período ditatorial.

Esta é a explicação para os atos do Clube Militar e dos manifestos, assinados por milhares de militares reformados e por alguns altos oficiais na ativa, lançados nos últimos meses. Amedrontados, assim como já deram fim a milhares de arquivos documentais que comprovariam seus crimes, estes senhores poderão, sem dúvida, tentar dar fim também aos arquivos humanos que possam incriminá-los.

Impedir suas ações exigirá que Comissões de Memória e Verdade sejam instaladas e passem a funcionar não apenas no âmbito federal, mas também em cada estado da federação, reunindo documentação e testemunhos e preservando, por meio das forças de segurança federal e estadual, a integridade material dos arquivos documentais e a integridade física e de vida dos arquivos humanos ainda existentes.

http://sul21.com.br/jornal/2012/05/as-comissoes-da-verdade-e-a-protecao-a-vida-dos-antigos-exterminadores/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: