Grupo protesta contra militar citado por Dilma como responsável por tortura | Folha de São Paulo

20/10/2012 | 16h06

Cerca de sessenta pessoas realizaram na manhã deste sábado (20) um protesto em frente ao prédio em que mora o militar reformado Homero César Machado, citado pela presidente Dilma Rousseff como uma das pessoas que dirigiram as torturas que ela sofreu durante a ditadura (1964-1985).

Os manifestantes ficaram cerca de uma hora em frente ao imóvel, na região da av. Paulista.

Gritavam “você é torturador, não vai ter sossego” e afirmavam que “enquanto não houver justiça haverá esculacho popular”.

Distribuíram também um panfleto de “alerta à vizinhança”: “Você sabia que neste bairro mora Homero César Machado, um dos principais torturadores da ditadura civil-militar?”.

O grupo colocou uma coroa de flores na entrada do edifício e pendurou nas grades do prédio uma faixa com a pergunta “Quem torturou Dilma Rousseff?”.

Em entrevista de 2003 Dilma disse que Machado era um “dos que dirigiam” as sessões de tortura. “O primeiro era o Homero, o segundo era o Albernaz. O terceiro eu não me lembro o nome. Era um baixinho”, afirmou.

Em discurso durante o ato deste sábado, o filho do militante e operário Virgílio Gomes da Silva –também chamado Virgílio–, cuja morte durante a ditadura foi atribuída a Machado, pediu que se faça justiça.

“Você matou meu pai. A dor perdurará, mas a alegria de ver condenado um torturador vai ser maior. Longa vida a você para pagar o que fez. O povo brasileiro te condenará”, afirmou.

O Ministério Público já pediu à Justiça que Machado fosse declarado responsável, ao lado de outros três militares, por maus-tratos a 20 presos políticos, mas o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (São Paulo) decidiu que ele não poderia mais ser condenado porque os supostos crimes já prescreveram. À época, Machado negou os crimes. A Folha não conseguiu contatá-lo hoje.

‘O PECADO MORA AO LADO’

Moradores do prédio se disseram surpresos com a informação de que “seu Homero” atuou na ditadura, mas afirmaram que ele não estava no local durante o protesto — estaria em viagem há cerca de dez dias.

A advogada Fernanda Souza, 37, vizinha de porta de Machado, disse achar importante que as ações venham à tona. “Estou passada. Vamos ver como vai ser quando ele voltar, se é que ele vai voltar”, afirmou.

Maria Tereza, 58, cuja mãe mora no prédio ao lado, aprovou a manifestação. “Se a pessoa fez tem que assumir”, disse. “Nesse caso o pecado mora ao lado de verdade”, afirmou outra vizinha.

O ato foi organizado pela Frente de Esculacho Popular. Em abril, o grupo já havia feito manifestação semelhante em frente à casa do médico legista Harry Shibata, que atuou na ditadura.

O manifesto divulgado no ato deste sábado também protestava contra a “tortura do presente”. “Enquanto estamos aqui alguma pessoa está sendo torturada em alguma delegacia ou prisão”. (PAULO GAMA)

_

http://www1.folha.uol.com.br/poder/1172575-grupo-protesta-contra-militar-citado-por-dilma-como-responsavel-por-tortura.shtml

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s