Retificação de atestado de óbito de Herzog abre espaço para outros casos, diz CNV | Sul 21

29/10/2012 | 14h44

Da Redação 

Segundo Rosa Cardoso, a correção do atestado de óbito de Vladimir Herzog (foto) é um marco judicial, mas é preciso avançar mais | Foto: Divulgação

A advogada Rosa Cardoso, membro da Comissão Nacional da Verdade, esteve presente na 34ª edição do Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos, ocorrida na noite da última terça-feira (23).

Ela discursou e, em seguida, participou do descerramento da obra “Verdade!”, do designer gráfico Kiko Farkas, criada para celebrar a correção do atestado de óbito de Vladimir Herzog, retificado por uma decisão da Justiça de São Paulo, que atendeu recomendação da CNV, expedida após pedido da família do jornalista. No novo documento constará que a morte de Vlado “decorreu de lesões e maus-tratos sofridos em dependência do II Exército – SP (Doi-Codi)”.

Segundo Rosa Cardoso, a correção do documento é um marco judicial, mas é preciso avançar mais. “Esse caso abre caminho para outras correções”, afirmou. A advogada disse que as conquistas para a Memória e a Verdade avança aos poucos na Justiça e citou como exemplo a decisão da Justiça Federal de São Paulo, que recebeu denúncia contra o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra e os delegados Carlos Alberto Augusto, da ativa da Polícia Civil de São Paulo, e Alcides Singillo (aposentado). Esta é a primeira ação penal aberta contra o coronel que comandou o Doi-Codi, em São Paulo, local da morte de Vlado.

A obra de Farkas foi apresentada ao público por Clarice Herzog, viúva de Vlado e mãe de Ivo Herzog, presidente do Instituto Vladimir Herzog, organizador do prêmio. A apresentação ocorreu logo após os jornalistas Alberto Dines (Observatório da Imprensa) e Lúcio Flávio Pinto (Jornal Pessoal) terem sido homenageados com o Prêmio Especial Vladimir Herzog pelo conjunto de seus trabalhos em defesa dos Direitos Humanos.

A própria Comissão da Verdade ou temas que já estão sendo investigados para o relatório final da CNV obtiveram destaque na edição do prêmio este ano. Das nove categorias premiadas, quatro abordaram temas tratados pela pesquisa da CNV: Documentário de TV (“Crimes da Ditadura”, da TV Brasil), Reportagem de TV (“O Caso Rubens Paiva, Uma História Inacabada”, de Miriam Leitão, da Globo News), Rádio (“Crimes Contra Indígenas na Ditadura”, de Maíra Heinen , da Rádio Nacional da Amazônia) e Jornal (“Quando a Ditadura entrou em Campo”, do jornal O Tempo). A premiada na categoria revista este ano foi a Caros Amigos, cuja edição de maio deste ano trouxe um especial sobre a Comissão da Verdade.

Com informações da Assessoria de Comunicação da Comissão Nacional da Verdade

_

http://sul21.com.br/jornal/2012/10/retificacao-de-atestado-de-obito-de-herzog-abre-espaco-para-outros-casos-diz-cnv/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s