Comissão Nacional da Verdade e Comissão da Verdade da UnB realizam audiência temática sobre o caso Anísio Teixeira | CNV

01/11/2012

No evento, família de Anísio Teixeira entregará para ambas comissões da verdade um dossiê com informações sobre a morte do reitor da UnB cassado pelo regime militar; CNV e Comissão da Verdade da UnB assinarão cooperação

Anísio Teixeira em 1960, pouco antes da época em que assumiu a reitoria da UnB. Foto: Acervo Fundação Anísio Teixeira

A Comissão Nacional da Verdade e a Comissão da Verdade da UnB (Universidade de Brasília) realizam no próximo dia 6 de novembro, no auditório do Memorial Darcy Ribeiro, às 10h, uma audiência pública temática sobre o caso do reitor Anísio Teixeira, cassado pelo golpe militar de 1964 e que morreu em circunstâncias suspeitas no Rio de Janeiro, em 1971.

No evento, a Fundação Anísio Teixeira, presidida por Babi Teixeira, filha do educador, entregará a ambas as comissões e apresentará ao público um dossiê inédito sobre as circunstâncias da morte do educador e as perseguições que ele sofreu no regime militar, contendo elementos colhidos pelos familiares ao longo de anos de investigações. Também estarão presentes o filho Carlos Teixeira e o biógrafo de Anísio, professor João Augusto da Rocha, da UFBA.

Na ocasião, a CNV e a Comissão da Verdade da UnB assinarão um termo de cooperação entre as duas comissões. A CNV tem assinado termos de cooperação com outras comissões da verdade, sejam estaduais ou institucionais, como comissões abertas por universidades e organizações classistas, como a OAB, por exemplo.

Com o evento, ambas as comissões pretendem sensibilizar o público universitário para a busca pela verdade sobre o regime militar, que tanto prejudicou a educação brasileira. Vários dos mortos e desaparecidos durante a ditadura eram estudantes universitários (estimativa inicial da CNV avalia que seriam cerca de 300).

Além disso, professores, pesquisadores e funcionários das universidades públicas brasileiras foram monitorados e perseguidos por terem posições diferentes das do regime e a CNV pediu informações aos reitores de 81 universidades sobre esses casos.

Pela CNV, estarão presentes o coordenador da Comissão, Cláudio Fonteles, graduado em direito pela UnB em 1969, e o professor Paulo Sérgio Pinheiro. O reitor da UnB José Geraldo de Souza Júnior será o anfitrião da audiência. Todos os 11 membros da Comissão da Verdade Anísio Teixeira, da UnB, estarão presentes.

Durante a audiência, Anísio também será lembrado por fotos e pela exibição do documentário “Anísio Teixeira: educação não é privilégio”.

SOBRE ANÍSIO TEIXEIRA – Anísio Teixeira nasceu em Caetité, no sertão da Bahia, em 12 de julho de 1900. Formado em direito na Universidade do Rio de Janeiro, em 1922, obteve mestrado em artes na Universidade de Colúmbia, em Nova York, em 1929. Considerado um dos maiores educadores brasileiros, Teixeira deixou uma obra pública à frente do seu tempo.

Iniciou-se na vida pública em 1924, chefiando cargos na área da Educação na Bahia e posteriormente no Distrito Federal, então no Rio de Janeiro, cidade onde conduziu uma importante reforma educacional que o projetou nacionalmente. Por pressões políticas, deixou o cargo que ocupava em 1935 e se afastou da vida pública por 10 anos.

Em 1946, Teixeira assumiu o cargo de Conselheiro de Ensino Superior da Unesco e, em 1947 assumiu o posto der secretário da Educação e Saúde da Bahia. Na sua gestão, fundou a Escola Parque, experiência inovadora de educação integral. Na década de 50 assumiu várias funções federais na área de educação e criou a CAPES, além de ter se tornado professor universitário (1957), ano em que escreveu seu livro mais polêmico: “Educação Não é Privilégio”.

Nos anos 60, junto com Darcy Ribeiro, foi um dos mentores da Universidade de Brasília, fundada em 1961, tornando-se seu segundo reitor, em 1963. Em 1964, o golpe militar cassa seu mandato e o afasta da função. Depois disso, Teixeira vai lecionar nos EUA e volta ao Brasil anos depois, cumprindo seu mandato no Conselho Federal de Educação. Em 13 de março de 1971 seu corpo é encontrado no fosso do elevador do prédio do amigo Aurélio Buarque de Holanda. A versão oficial é de acidente, mas várias suspeitas foram levantadas por ocasião do lançamento da Comissão da Verdade da UnB.

SERVIÇO:

O QUÊ: AUDIÊNCIA TEMÁTICA SOBRE O CASO ANÍSIO TEIXEIRA

ASSINATURA DE TERMO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO NACIONAL DA VERDADE E A COMISSÃO DA VERDADE DA UnB

QUANDO: Terça-feira, 6 de novembro

HORÁRIO: 10h

ONDE: UnB

LOCAL: Auditório do Memorial Darcy Ribeiro

_

http://www.cnv.gov.br/noticias/01-11-2012-2013-comissao-nacional-da-verdade-e-comissao-da-verdade-da-unb-realizam-audiencia-tematica-sobre-o-caso-anisio-teixeira

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s