Arquivos de Tag: wadih damous

OAB-RJ homenageia hoje maior defensor de presos políticos na ditadura | Jornal do Brasil

Continuar Lendo →

OAB: Rio de Janeiro foi o centro da repressão durante ditadura militar | Jornal do Brasil

Continuar Lendo →

OAB faz apelo a governador: “crie por decreto a Comissão da Verdade” | Jornal do Brasil

Continuar Lendo →

OAB comemora aprovação da Comissão da Verdade do Rio de Janeiro | Jornal do Brasil

Continuar Lendo →

Alerj pode criar hoje Comissão da Verdade no Rio | Jornal do Brasil

Continuar Lendo →

A importância da Comissão da Verdade no Rio | Jornal do Brasil

Continuar Lendo →

OAB consegue apoio de Cabral para criação da Comissão da Verdade no Rio | Jornal do Brasil

Continuar Lendo →

Aumenta pressão sobre Cabral pela criação da Comissão da Verdade no Rio | Rede Brasil Atual

26/09/2012 | 12h15

Deputados impedem votação na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro e causam descontentamento na CNV e no Planalto. Governador recebe hoje a OAB

Por Maurício Thuswohl

Rio de Janeiro – São cada vez maiores as pressões sobre o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), por conta da demora do estado em criar a sua comissão da verdade para investigar os crimes cometidos pelas forças oficiais de repressão durante a ditadura militar. A demora acontece porque Cabral decidiu não criar a Comissão Estadual da Verdade por decreto, como fizeram outros governadores, e delegou à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) a tarefa de aprovar uma lei nesse sentido.

Após algumas tentativas, no entanto, a maioria governista da Alerj não permite que o projeto de lei seja votado em plenário, fato que tem causado irritação em entidades da sociedade civil, na Comissão Nacional da Verdade (CNV) e até mesmo no Palácio do Planalto. Continuar Lendo →

OAB apoia abertura de ação penal contra militares por crimes na ditadura | Jornal do Brasil

4/9/2012 | 7h08

O presidente da OAB do Rio de Janeiro, Wadih Damous, considerou hoje (04) correta a decisão da Justiça Federal em Marabá (PA) que aceitou denúncia do Ministério Público Federal e determinou a abertura de ação penal contra os coronéis da reserva Sebastião Curió e Lício Maciel. Ambos atuaram na guerrilha do Araguaia  e são acusados do crime de sequestro qualificado.

Segundo Damous, trata-se de crime continuado, que permanece sendo cometido até que os corpos dos desaparecidos “apareçam”. “Por isso não se pode falar em prescrição ou que tais crimes estejam cobertos pela Lei de Anistia, já que a sua continuidade extrapola o ano de 1979, em que foi promulgada a lei”, disse.  Continuar Lendo →

OAB quer criação de Centros Culturais nos antigos prédios do Doi-Codi e do Dops | Jornal do Brasil

28/08/2012 | 6h43

O presidente da OAB do Rio de Janeiro (OAB-RJ), Wadih Damous, defendeu hoje (28) a transformação em Centros Culturais e de Preservação da Memória os principais locais usados no Rio de Janeiro para a tortura de presos políticos durante a ditadura militar: o DOI-Codi, no quartel da Polícia do Exército, na Tijuca, e o Dops, na Rua da Relação.

Ele lembrou que nesses lugares de triste memória, milhares de opositores do regime militar foram torturados e, muitos deles, assassinados.

“É fundamental que as barbaridades cometidas neste locais não caiam no esquecimento e que jamais se repitam”, afirmou Continuar Lendo →

Comissão de Anistia julga processo de homem desaparecido na ditadura | Jornal do Brasil

17/08/2012 | 9h35

Mãe de preso político, já com 99 anos, estará no julgamento

Começou nesta sexta-feira(17), na sede da PUC-RJ, a 61ª Caravana da Anistia. Em destaque, haverá hoje o julgamento do processo de Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira, desaparecido político durante a ditadura militar. O presidente da Comissão de Anistia, Paulo Abraão, conduzirá a sessão, enquanto a sustentação oral em nome da família Santa Cruz ficará por conta do presidente da OAB no Rio, Wadih Damous. O processo começou por volta das 9h30.

Dona Elzita, mãe de Fernando, possui hoje 99 anos de idade. Á época do desaparecimento, Fernando Santa Cruz era estudante de Direito na Universidade Federal Fluminense e tinha 26 anos. Ele foi preso e torturado por agentes do DOI-CODI em fevereiro de 1974, no Rio de Janeiro, juntamente com outros integrantes da Ação Popular Marxista-Leninista (APML). Fernando Santa Cruz dá nome ao Centro Acadêmico de Direito da UFF. Continuar Lendo →

OAB-RJ vai repassar à Comissão da Verdade dados levantados sobre atuação de órgãos no período da ditadura | Agência Brasil

14/08/2012 | 21h36

Guilherme Jeronymo
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – A Ordem dos Advogados do Brasil Seção Rio de Janeiro (OAB-RJ) vai repassar à Comissão Nacional da Verdade levantamentos e depoimentos coletados desde 2010 pela Comissão de Memória da entidade. Acordo estabelecendo a colaboração foi assinado hoje (14) entre a OAB-RJ e a comissão nacional.

A OAB-RJ tem apurado informações sobre a atuação de órgãos do Poder Judiciário, do Ministério Público e da Justiça militares, durante o período de repressão ocorrido entre 1964 e 1985. “Tudo aquilo que for produzido, os depoimentos e documentos, será remetido à Comissão Nacional da Verdade”, declarou o presidente da OAB/RJ, Wadih Damous. Continuar Lendo →

Comissão da Verdade quer criação de memoriais em prédios onde presos foram torturados no Rio de Janeiro | Agência Brasil

13/08/2012 | 17h50

Isabela Vieira
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – A Comissão Nacional da Verdade quer que o governo do Rio de Janeiro tombe prédios e crie memoriais em locais usados pelo regime militar como centros de tortura de presos políticos. A informação é do coordenador da comissão, Gilson Dipp, e atende a reivindicação de organizações da sociedade.

A exemplo do Museu da Resistência, criado em São Paulo na antiga sede do Departamento de Ordem e Política Social (Dops), em 2009, o coordenador avalia que memoriais ajudam a contar a história do país. “De todos esses locais, os mais importantes, na nossa proposição, é que se tornem relíquias, quanta gente nunca ouvi falar da repressão militar?”, perguntou Dipp. Continuar Lendo →

Comissão Nacional da Verdade se reúne segunda-feira na OAB do Rio | Jornal do Brasil

10/08/2012 | 9h41

A Comissão Nacional da Verdade irá se reunir, nos próximos dias 13 (segunda-feira) e 14 (terça-feira), na sede da Seccional da OAB do Rio, onde fará audiência pública com vítimas, parentes de vítimas e comitês da verdade e mesa redonda sobre a ditadura e sobre os centros de tortura e morte no Rio de Janeiro.

Na ocasião, o presidente da Seccional, Wadih Damous, irá entregar ao coordenador nacional da Comissão, ministro Gilson Dipp, os depoimentos colhidos pela Comissão da Verdade da OAB-RJ e que tratam, especificamente, de arbitrariedades cometidas pela Justiça Militar contra presos políticos. Continuar Lendo →

OAB-RJ cria Comissão da Verdade para saber atuação de juízes na ditadura | Jornal do Brasil

28/06/2012 | 6h36

O presidente da OAB do Rio de Janeiro (OAB-RJ), Wadih Damous, anunciou hoje (28) a criação, no âmbito da Seccional, da Comissão da Verdade a fim de que a entidade possa ouvir relatos sobre a atuação de juízes e promotores da justiça militar durante os julgamentos de presos políticos na ditadura.

Damous anunciou também o início de uma  campanha pelo tombamento dos centros de tortura, que seriam transformados em centros da memória. Continuar Lendo →

Presidente da OAB-RJ: Judiciário conservador impede punição de crimes da ditadura | Sul21

11/06/2012 | 6h

Wadih Damous diz que é necessário apoiar a Comissão da Verdade e pressionar para que agentes da ditadura militar sejam investigados | Foto: Divulgação / OAB-RJ

Rachel Duarte

Convidado pela presidenta Dilma Rousseff para o lançamento da Comissão da Verdade, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro, Wadih Damous, é conhecido como apoiador da luta por verdade e justiça e da punição às violações de direitos humanos ocorridos no Brasil na ditadura militar. No exercício do segundo mandato, que encerra em dezembro deste ano, Wadih Damous defende que a verdadeira democracia só será desfrutada pelo Brasil quando a sua história for esclarecida. “Houve tortura e milhares de pessoas estão desparecidas. E os agentes do Estado que o fizeram não foram identificados. Existe uma série de perguntas sem resposta que precisam vir à tona”, defendeu em entrevista ao Sul21. Continuar Lendo →

%d blogueiros gostam disto: